domingo, 11 de setembro de 2016

Falando sobre livros: Quantidade é Qualidade?

O que é importante pra você? 
Qualidade do livro ou quantidade em sua prateleira?
É muito comum considerarmos que quantidade é qualidade, mas será que é isso mesmo? 
Quase todo amante da leitura tem como sonho ter uma biblioteca em casa, e que forma mais fácil de realizar esse sonho do que comprar livros em ofertas? Quantos livros de R$ 9,90 que você comprou naquela promoção do site você realmente queria? Ou você chegou a ler? Digo isso por experiência própria; às vezes você precisa comprar mais um livro só para ter frete grátis e você quer esse livro? Será um a mais para chegar à quantidade de 200, 300, 500 livros?
Como você iniciou sua coleção? É comum recebermos de membros da família livros que eles não querem mais, porém vão deixar nossa estante muito feliz! 
Mas você já folheou esses livros? Já leu a sinopse? Percebeu se vai gostar da leitura? Reparou na diagramação? Às vezes as letras desses livros são tão pequenas que você já sabe que não vai ler, afinal, vai dar uma bela dor de cabeça!
Acho importante  ter e ler quantos livros você conseguir e dessa forma vai poder escolher seu gênero literário preferido, mas e quando chegar aquele momento que você olhar para um livro e perceber que nunca vai lê-lo, o que fazer nessa situação? Quer uma dica? Que tal desapegar? 
Para muitas pessoas, só a menção dessa frase vai doer, mas se você está sem espaço, já percebeu que quantidade não é qualidade, por que não? 
Têm muitas pessoas que já estão fazendo isso nesse mundo literário, trocas no Skoob são muito válidas e também em outras redes sociais. Algumas pessoas (cito a Tati Feltrin) estão vendendo no Youtube seus livros que não pretendem reler, por um valor simbólico, que seria apenas para pagar o frete dos Correios. 
A Jota Plutz também, está desapegando geral! Isso é muito importante, afinal essas pessoas são exemplos para tantas outras.
Mas e você, Thais? Anda desapegando? 
Na realidade, ainda não. Eu fiz apenas uma troca no Skoob e acho até que me arrependi dela, pois troquei por um livro da modinha rsrs. Ainda não tenho problema com espaço, mas estou quase lá. Porém já não fico procurando promoções em sites e nem compro mais só porque vejo que está barato.
Ler tem que ser um prazer, não importa quantos livros você tem na sua estante. Bibliotecas públicas servem para isso, vasculhar as prateleiras e encontrar um livro que você quer ler é muito bom. Há livros esgotados que você não vai conseguir comprar, mas nem por isso, será tirado de ti, o prazer de ler! 
Encontre o seu meio de se adequar à sua rotina e seja FELIZ!! 

domingo, 7 de setembro de 2014

OS DELÍRIOS DE CONSUMO DE BECKY BLOOM, de Sophie Kinsella


Em primeiro lugar, eu adoro essa capa!

Este é um dos poucos livros que eu fiz o inverso, ou seja, assisti antes ao filme e depois li ao livro.

O filme virou um dos meus favoritos, é muito divertido; me identifiquei bastante com a protagonista (o fato de ser atrapalhada e não o de ser consumista), enfim, Becky Bloom tem uma grande sequência de livros e dizem que são muito interessantes, por enquanto, eu só tenho o primeiro, o meu é em versão pocket porque os livros dessa série e creio que da Sophie Kinsella em geral, são muito caros.

Falando do livro, ele é bem diferente do filme, a Becky é totalmente atrapalhada (igual), desinteressada por finanças (igual), divertida (igual), enfim... a essência é a mesma, porém mudam as situações.

Quando comecei a lê-lo tive que me controlar muito para não rir em local público, como no metrô, pois as cenas são hilárias, mas depois a leitura se tornou cansativa e eu fiquei bem triste com o livro, perdeu o encanto. Creio que deve-se às comparações que eu fazia com o filme, têm muitas cenas que eu gostei muito, mas no livro não acontece, então... frustração!

Pensei em desistir de lê-lo, mas continuei, afinal tenho muitos livros na minha estante esperando para serem estreiados e é sacanagem menosprezar nosso lindos livrinhos.

Retornando: Becky Bloom que adora comprar roupas, maquiagens, cosméticos, hidratantes e tantas outras coisas se endividou demais. Começaram a chegar cobranças (as cartas ela jogava numa gaveta sem abrir, ou jogava em caçambas na rua), os cartões de crédito começaram a ser bloqueados. Tudo estava de mal a pior para Becky, até que finalmente, o livro se torna interessantíssimo quando ela chega ao fundo do poço, aconselhando amigos de forma errada e fazendo com que eles percam dinheiro.

Becky recupera suas energias por uma causa e vai até o fim para tentar ajudar seus amigos.

Percebi muitas situações engraçadas que deixaram fora do filme e deixaram o livro encantador.

Vale a pena ler, eu recomendo!

E vale a pena ver o filme também.


Nota: é meu primeiro chick-lit (livro para mulheres) que leio inteiro. Vou interagir mais com esses livros!


Nota:



terça-feira, 6 de maio de 2014

[Resenha] DESEJO À MEIA-NOITE- OS HATHAWAYS, Lisa Kleypas

Sinopse - Desejo à Meia-Noite - Os Hathaways - Livro 01 - Lisa Kleypas

Após sofrer uma decepção amorosa, Amelia Hathaway perdeu as esperanças de se casar. Desde a morte dos pais, ela se dedica exclusivamente a cuidar dos quatro irmãos – uma tarefa nada fácil, sobretudo porque Leo, o mais velho, anda desperdiçando dinheiro com mulheres, jogos e bebida. Certa noite, quando sai em busca de Leo pelos redutos boêmios de Londres, Amelia conhece Cam Rohan. Meio cigano, meio irlandês, Rohan é um homem difícil de se definir e, embora tenha ficado muito rico, nunca se acostumou com a vida na sociedade londrina. Apesar de não conseguirem esconder a imediata atração que sentem, Rohan e Amelia ficam aliviados com a perspectiva de nunca mais se encontrarem. Mas parece que o destino já traçou outros planos.
Quando se muda com a família para a propriedade recém-herdada em Hampshire, Amelia acredita que esse pode ser o início de uma vida melhor para os Hathaways. Mas não faz ideia de quantas dificuldades estão a sua espera. E a maior delas é o reencontro com o sedutor Rohan, que parece determinado a ajudá-la a resolver seus problemas. Agora a independente Amelia se verá dividida entre o orgulho e seus sentimentos.
Será que Rohan, um cigano que preza sua liberdade acima de tudo, estará disposto a abrir mão de suas raízes e se curvar à maior instituição de todos os tempos: o casamento?



Primeiro de tudo: olhe essa capa!
Olhou? Então, olhe de novo: ela é linda! Sem dúvida é um livro que já compraríamos só pela capa.
Esse vestido azul glamouroso, esse monte de saias... nos faz lembrar... sim, é um livro histórico.
A Editora Arqueiro acertou super bem trazendo essa série para o Brasil. Há muitas pessoas que curtem romance histórico e eu sou uma delas.
A sinopse oficial está aí em cima.

Amélia é a protagonista desse livro que nos inicia apresentando à árvore genealógica da família Hathaway. Ou seja, essa é mais uma daquelas sacanagens de autores para comprarmos livros e livros pois todos têm ligações um com o outro, por serem da mesma família.
Como gostei dessa família, não me importei!
Os pais deles já estão mortos e eles passam por dificuldades financeiras, até que Leo, o irmão mais velho herda o título de lorde Ramsay e com ele uma casa colonial no interior da Inglaterra e uma renda anual. Mas Leo está interessado em gastar o dinheiro apenas com bebida e mulheres e Amelia incumbiu-se de não deixá-lo arruinar e levar as chances de bom casamento das irmãs junto.
No início do livro, Amélia sai a procura dele com a ajuda do "irmão-adotado", o cigano Merripen. E na procura, esbarraram com outro cigano, o lindo e sedutor Cam Rohan.
Para os ciganos, não é motivo de orgulho viver com os brancos, trabalhar com eles e receber salário por isso. Mas Cam foi abandonado em Londres quando menino e teve que se virar para sobreviver. Virou um homem muito respeitado, mas a sociedade londrina ainda consideravam ciganos a escória da sociedade. 
Cam e Amelia sentem uma chama de imediato, e depois que ele a ajuda a encontrar seu irmão (apesar de Amelia recusar pois não gostava e nem estava acostumada a depender de ninguém) os dois rompem num beijo estrondoso que os deixa sem ar. E os dois pretendem nunca mais se ver.
Amelia, uma solteirona convicta, já teve o coração partido anteriormente e sabia que não ia deixar-se apaixonar novamente, mas não conseguia deixar de pensar naquele cigano e Rohan não sabia o que deu nele para beijar uma gadje (não cigana) recatada, mas ele se interessou muito por aquela irmã brigona.
O reencontro deles é bem engraçado, com Amelia suja e caída no chão. Ela é apresentada a seu vizinho rico e convidada para comparecer `a festas. Mesmo sentindo-se mal por todos estarem mal vestidos e não saberem nada sobre etiqueta, resolvem ir.
O casal vai se aproximando até que em um determinado momento eles não resistem. Porém ambos sabem que não será nada sério: Rohan, quer abandonar a vida com os gadje e procurar sua tribo e Amélia só quer cuidar da família. 
Julia Kleypas me fez sentir um pouco do Universo de Jane Austen sim. Com  a família grande, as confusões, os conflitos com a sociedade, Rohan sendo justo quando deve ser. O casal é carismático, a história flui bem, temos a irmã mais nova, Beatrix, engraçadíssima, a irmã do meio Win, quase uma inválida depois de adoecer de escarlatina, a doçura loira dela com a vitalidade morena de Amelia me lembrou muito as duas irmãs mais velhas de Orgulho e Preconceito.
Recomendo esse livro, que nos faz entender um pouquinho da chatice de Leo e já nos apresenta ao romance do próximo livro.

quarta-feira, 2 de abril de 2014

[Vídeo] Mimos #01

Oi Pessoal, e quem aí não gosta de uns mimos?
Eu adoro!!!!!!
Esse vídeo está de recheado de pôsteres, marcadores e bonecos!!!!
Nele, eu mostro o que ganhei em sorteios da Sora, do blog Meu Jardim de Livros e outras coisitas.
Vamos ver?



quinta-feira, 20 de março de 2014

Eu sou sortuda!!!!

Bom dia galera linda!!!
Estou aqui para falar que eu fui sorteada na Promoção Relâmpago para ganhar vários pôsteres de livros da Novo Conceito. Foi no blog da Sora, Meu Jardim de Livros.

Final do ano eu também fui contemplada pelo blog dela e ganhei marcadores lindos!!!! Adoro mimos!
Estou sentindo que esse é o ano do Blog!!! ok
Assim que eu recebê-los faço um vídeo mostrando-os, ok?



Bom demais, né?

Gravei a pouco tempo um vídeo com Minhas Leituras de Fevereiro, amanhã ele estará no ar!
Beijinhos lindos!



segunda-feira, 10 de março de 2014

Li até a Página 100... #2 (A Menina que não sabia Ler)

Oi Pessoal,
Está aí mais um vídeo para vocês, é meu primeiro vídeo editado e em HD, então está um pouquinho melhor do que os outros. Vou melhorar mais, prometo!!!
Essa TAG foi retirada do blog EU LEIO EU CONTO, lá vocês podem pegar o selinho e colocar no post de quem quiser fazer, ok?
Espero que gostem.
Beijos!!!!





terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

A ESPERANÇA, de Suzanne Collins




Depois de sobreviver duas vezes à crueldade de uma arena projetada para destruí-la, Katniss acreditava que não precisaria mais lutar. Mas as regras do jogo mudaram: com a chegada dos rebeldes do lendário Distrito 13, enfim é possível organizar uma resistência. Começou a revolução.
A coragem de Katniss nos jogos fez nascer a esperança em um país disposto a fazer de tudo para se livrar da opressão. E agora, contra a própria vontade, ela precisa assumir seu lugar como símbolo da causa rebelde. Ela precisa virar o Tordo.
O sucesso da revolução dependerá de Katniss aceitar ou não essa responsabilidade. Será que vale a pena colocar sua família em risco novamente? Será que as vidas de Peeta e Gale serão os tributos exigidos nessa nova guerra?

Olá galera, finalmente depois de muito tempo volto com uma resenha.
Creio, que eu era uma das poucas pessoas que não havia lido essa saga ainda. Emprestada de uma colega de trabalho devorei  JOGOS VORAZES (depois de assistir ao filme) e EM CHAMAS e finalmente estou com A ESPERANÇA em minhas mãos. 
Um amigo, que leu uma semana antes de mim detestou, disse que era muito chato e não valia a pena ler.
Como assim? Ele cheirou? Usou tóxico? Caiu e bateu a cabeça? 
Porque é simplesmente impossível uma autora escrever dois livros maravilhosos e chegar no terceiro...
Comecei a lê-lo adorando como os anteriores a escrita fácil e interessante de Suzane Collins, era óbvio que o livro seria perfeito como os outros, certo? 
Não, errado! 
Sim, meu amigo estava correto e o livro é decepcionante.
Descobrimos como funciona o Distrito 13, a guerra tem início, Katniss é a alma da revolução, mas ela não quer ser a heroína, ela não quer ser o espelho de ninguém.
Até aí tudo bem, é muita responsabilidade para ela, que acaba aceitando ser o Tordo da revolução sob pressão.
Mas a protagonista dos outros livros, cheia de vontade, garra e determinação desaparece. Temos nesse último livro uma Katniss desinteressante, opaca e sem vida, uma coadjuvante merecendo o esquecimento.
O livro inteiro se desenrola quase todo sem ela tomar nenhuma decisão, uma marionete nas mãos de todos e das circunstâncias.
A sede de vingança morreu? 
Nem capacidade para fechar o triângulo amoroso ela tem!
O final é ridículo. O motivo (na minha opinião), o pano de fundo que fez Jogos Vorazes e Em Chamas existirem e nos afeiçoarmos a ele é destruído em A Esperança.
Suzanne Collins destruiu O MOTIVO de tudo, da garra da protagonista.
Infelizmente, para um fim de saga, esse livro me decepcionou bastante!!!!!
Destruiu todo o seu trabalho com esse final.